quarta-feira, 16 de agosto de 2017

[RESENHA] NADA MAIS A PERDER - JOJO MOYES




ISBN-13: 9788580579703
ISBN-10: 8580579708
Ano: 2016 / Páginas: 398
Idioma: português
Editora: Intrínseca





"Será que as coisas eram mesmo assim tão simples? Se você amasse tanto alguém, o seu ambiente deveria perder a importância e todos os sacrifícios que você fez deveriam desaparecer no passado?" 


SINOPSE



Na juventude, Henri Lachapelle foi um cavaleiro de raro talento, entre os poucos admitidos na academia de elite do hipismo francês, o Le Cadre Noir. Contudo, reviravoltas da vida o levaram da França a Londres, onde ele agora vive em um simples conjunto habitacional. Sem nunca abandonar o amor pela antiga carreira, aos trancos e barrancos Henri ensina a neta, Sarah, a montar o cavalo Boo, na esperança de que o talento da dupla seja o passaporte para uma vida melhor e mais digna para todos. Mas um grande golpe muda mais uma vez os planos de Henri Lachapelle, e Sarah se vê entregue à própria sorte, lutando para, além de sobreviver, cuidar de Boo e manter os treinamentos.

Natasha é uma advogada especializada em representar crianças e adolescentes envolvidos com crimes ou em situação de risco. Abalada emocionalmente e em dúvidas quanto a seu futuro profissional depois de um caso terrível, Natasha ainda tem de lidar com as feridas do fim de seu casamento. Um fim, diga-se de passagem, bem inusitado, já que ela se vê forçada a morar com o charmoso futuro ex-marido enquanto esperam a venda da casa da família.

Quando Sarah cruza o caminho de Natasha, a advogada vê na menina a oportunidade de colocar a vida de volta nos trilhos e decide abrigar a adolescente sob o próprio teto. O que ela não sabe é que Sarah guarda um grande segredo que lhes trará sérias consequências.




RESENHA


Sarah sempre teve um amor em comum com seu avô Henri: cavalos e tudo relacionado a esse mundo. Os dois vivem juntos em Londres, num simples conjunto habitacional, e treinam todos os truques de sua antiga carreira, hipismo, para que sua neta tenha o mesmo sucesso que ele teve no passado.
Até que a realidade brutal da vida chega e Sarah se vê totalmente perdida aos 14 anos, mas determinada a continuar seus treinamentos ao lado de Boo, seu amado cavalo e fará o que for possível para protegê-lo.

Natasha é uma advogava dedicada que vive para o trabalho, ainda mais depois de seu rompimento com Mac, sua área de especialização é a de crianças e adolescentes em situação de risco. Quando descobre que a situação em que Sarah esta vivendo, faz tudo o que pode para ajudar, mas sem conseguir arrumar um lar para a menina, ela e Mac os acolhem em sua casa (ela divide a sua casa com seu futuro ex-marido, deixando a sua vida ainda mais bagunçada).

Mesmo sem ter nada em comum, os caminho dessas duas personagens se cruzam criando uma relação que precisará de muita confiança em sua construção, mas como contar os seus segredos a alguém que você nem queria em sua vida?

Em "Nada mais a perder" somos apresentados a uma mulher fria, que não sabe expor seus sentimentos, uma adolescente rebelde que, mesmo tendo os seus motivos, acaba sendo chata demais, um futuro ex-marido encantador e mais um trabalho excelente de pesquisa da autora Jojo Moyes. A leitura nos traz algumas reflexões e principalmente a noção de que ninguém é feliz, nem consegue fazer algo sozinho, entretanto não consegui me conectar com as personagens principais e suas narrativas, o que tornou a leitura ainda mais maçante para mim. Não foi o meu livro favorito da autora, mas também não entrou na lista dos que menos gostei, então sai no lucro.
Recomendo a leitura desse livro para quem quiser se apaixonar por Boo como eu, pois foi o que mais gostei desse livro, uma estrela é só para ele.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

[RESENHA] NOVEMBRO 9 - COLLEEN HOOVER




ISBN-13: 9788501076250
ISBN-10: 8501076252
Ano: 2016 / Páginas: 352
Idioma: português
Editora: Galera Record


Achei que era mais forte do que uma palavra, mas acabei de descobrir que ter que dizer adeus a você é de longe a coisa mais difícil que tive que fazer?


SINOPSE

Autora número 1 da lista do New York Times retorna com uma história de amor inesquecível entre um aspirante a escritor e sua musa improvável.
Fallon conhece Ben, um aspirante a escritor, bem no dia da sua mudança de Los Angeles para Nova York. A química instantânea entre os dois faz com que passem o dia inteiro juntos – a vida atribulada de Fallon se torna uma grande inspiração para o romance que Ben pretende escrever. A mudança de Fallon é inevitável, mas eles prometem se encontrar todo ano, sempre no mesmo dia. Até que Fallon começa a suspeitar que o conto de fadas do qual faz parte pode ser uma fabricação de Ben em nome do enredo perfeito. Será que o relacionamento de Ben com Fallon, e o livro que nasce dele, pode ser considerado uma história de amor mesmo se terminar em corações partidos?



RESENHA

O dia 9 de novembro era um dia qualquer na vida da atriz adolescente Fallon, até o dia que, por descuido de seu pai, metade do seu corpo foi queimado em um incêndio. Depois disso 9 de novembro se tornou o aniversário do pior dia de sua vida... Isso até Ben aparecer.

Fallon conhece Ben da maneira mais estranha que alguém pode conhecer outro alguém: enquanto está indignada com as duras e insensíveis palavras do pai (que doem mais ainda por terem sido ditas no dia 9 de novembro) em um restaurante Ben chega magicamente e se transforma em seu namorado de mentira para livrá-la dessa situação embaraçosa. Fallon está indo para Nova York enquanto Ben estuda para ser escritor, eles se dão bem logo de cara e então criam um novo sentido para esse triste dia: no mesmo dia, no mesmo horário, no mesmo local, durante cinco anos eles irão se encontrar, não conversarão nenhum dia sequer, não trocarão números de celulares, apenas se encontrarão.
Será que essa ideia utópica dará certo ou a distância, problemas da vida e o passado dos dois pode acabar com esse mágico primeiro 9 de novembro que tiveram?

O livro é em 1° pessoa e possui os pontos de vista dos dois personagens, relatando apenas essa data. CoHo escreve de uma maneira que mesmo não vendo a rotina deles, podemos ver o crescimento, amor, dores e temos de cada personagem.

Fallon, você tem todo o meu coração!
Ela inicia a história de uma forma que vai cortar o seu coração, mas é lindo ver a forma que Fallon amadurece e se aceita, e isso é graças a Ben, que mesmo a encontrando apenas uma vez por ano a muda, a faz florescer novamente para a vida.

E essa é a lição mais linda que esse livro me trouxe: não precisamos ver ou conversar com a pessoa constantemente para manter sentimentos verdadeiros e recíprocos e esses sentimentos são capazes de criar o que há de melhor em nós.
E a cada página que passava via mais superação em Fallon e mais bordoadas da vida, mais decepções... Chorei junto com ela, senti a sua dor e chorei novamente cada vez que via a sua força. 
Tive uma relação de amor e ódio com Ben, amei Fallon desde o primeiro parágrafo e amei o livro, se tornou o meu segundo queridinho da Coho e eu o recomendo de olhos fechados (mas preparem o lencinho!).


"Achei que era mais forte do que uma palavra, mas acabei de descobrir que ter que dizer adeus a você é de longe a coisa mais difícil que tive que fazer?"

O dia 9 de novembro era um dia qualquer na vida da atriz adolescente Fallon, até o dia que, por descuido de seu pai, metade do seu corpo foi queimado em um incêndio. Depois disso 9 de novembro se tornou o aniversário do pior dia de sua vida... Isso até Ben aparecer.

Fallon conhece Ben da maneira mais estranha e vergonhosa que alguém pode conhecer outro alguém, afinal ele aparece do nada e se transforma em seu namorado de mentira para livrá-la dessa situação embaraçosa. Fallon está indo para Nova York enquanto Ben estuda para ser escritor, eles se dão bem logo de cara e então criam um novo sentido para esse triste dia: no mesmo dia, no mesmo horário, no mesmo local, durante cinco anos irão se encontrar novamente.
Será que essa ideia utópica dará certo ou a distância, problemas da vida e o passado dos dois pode acabar com esse mágico primeiro 9 de novembro que tiveram?

O livro é em 1° pessoa e possui os pontos de vista dos dois personagens, relatando apenas essa data. CoHo escreve de uma maneira que mesmo não vendo a rotina deles, podemos ver o crescimento, amor, dores e temos de cada personagem.

Fallon, você tem todo o meu coração!
Ela inicia a história de uma forma que vai cortar o seu coração, mas é lindo ver a forma que Fallon amadurece e se aceita, e isso é graças a Ben, que mesmo a encontrando apenas uma vez por ano a faz florescer novamente para a vida. Chorei junto com ela, senti a sua dor e chorei novamente cada vez que via a sua força enfrentando as bordoadas da vida. 
E essa é a lição mais linda que esse livro me trouxe: não precisamos ver ou conversar com a pessoa constantemente para manter sentimentos verdadeiros. E é essa verdade e amor podem transformar vidas,
Tive uma relação de amor e ódio com Ben, amei Fallon desde o primeiro parágrafo e amei o livro, se tornou o meu segundo queridinho da Coho e eu o recomendo de olhos fechados (mas preparem o lencinho!).

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

[RESENHA] A MORTE DE SARAI - J. A. REDMERSKI







"- Há uma grande diferença entre medo e incerteza, Sarai. Você não tem medo de nada, mas está incerta sobre tudo."



SINOPSE




RESENHA

Sarai tinha apenas 14 anos quando foi entregue por sua mãe a Javier, um grande chefão do tráfico no México. Outras meninas também estão com ela e são negociadas, sofrem abusos, estupros e violência física. Mas não Sarai, pois Javier está apaixonado por ela e por esse motivo a "protege" de algumas coisas.


Aos 23 anos o que ela mais sonha é conseguir fugir dessa fortaleza e ao ver um assassino americano contratado por Javier para matar um de seus inimigos vê a oportunidade de fuga e assim voltar ao seus país. Victor, o assassino, foi treinado por essa vida desde criança e por isso se tornou uma pessoa fria que só pensa em executar os trabalhos que lhe são propostos. Será que Sarai pode confiar nesse estranho que mexe tanto com ela ou ele só está a usando para conseguir o que quer de Javier?

"A morte de Sarai" é um New Adult, mas não pensem que se trata de um romance fofinho, cheio de quotes lindíssimos e suspiros. Não, não se enganem com essa série de J. A. Redmerski. Nesse livro não existem inocentes, não existe a confiança cega.

Eu já conheci a autora pela série "Entre o agora e o nunca", que continua sendo a minha preferida de Redmerski. Eu gostaria de ter mais informações iniciais sobre o cativeiro e o tráfico de mulheres e drogas de Javier, acho que assim teria me conectado mais com Sarai e teria deixado esse ponto do livro menos superficial. Já Victor eu amei demais e estou a procura de um assassino desses para a minha vida. Outro coisa que me fez gostar bastante da leitura foi o fato de ser aquele livro que você devora e só consegue terminar quando chega ao final!

Adorei o livro, mas senti falta de algo ao lê-lo, mas indico o livro mesmo assim e pretendo continuar a ler as sequências, pois o final desse livro deixa aquele gosto enorme de quero mais.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

[RESENHA] BIG ROCK - LAUREN BLAKELY



ISBN-13: 9788562409943
ISBN-10: 8562409944
Ano: 2017 / Páginas: 224
Idioma: português
Editora: Faro Editorial



"A notícia boa é que eu só preciso mentir por mais uns poucos dias.
A notícia ruim é que Charlotte e eu só teremos mais uns poucos dias de compromisso falso."



SINOPSE


“A maioria dos homens não entendem as mulheres.”

Spencer Holiday sabe disso. E ele também sabe do que as mulheres gostam.

E não pense você que se trata só de mais um playboy conquistador. Tá, ok, ele é um playboy conquistador, mas ele não sacaneia as mulheres, apenas dá aquilo que elas querem, sem mentiras, sem criar falsas expectativas. “A vida é assim, sempre como uma troca, certo?”

Quer dizer, a vida ERA assim.

Agora que seu pai está envolvido na venda multimilionária dos negócios da família, ele tem de mudar. Spencer precisa largar sua vida de playboy e mulherengo e parecer um empresário de sucesso, recatado, de boa família, sem um passado – ou um presente - comprometedor... pelo menos durante esse processo.

Tentando agradar o futuro comprador da rede de joalherias da família, o antiquado sr. Offerman, ele fala demais e acaba se envolvendo numa confusão. E agora a sua sócia terá que fingir ser sua noiva, até que esse contrato seja assinado. O problema é que ele nunca olhou para Charlotte dessa maneira – e talvez por isso eles sejam os melhores amigos e sócios. Nunca tinha olhado... até agora.



RESENHA


Spencer Holiday é simplesmente o melhor amante de Nova York, e ele sabe disso. Rico, lindo, sexy, conquistador... Ele sabe como tratar uma mulher, mas isso ainda nem é melhor parte do rapaz, a melhor parte é maior que 20 cm e chama muito a atenção do sexo oposto.

Porém por contas dos negócios do seu pai ele terá que passar por um moço de família e acaba se metendo em uma confusão, para escapar dessa e não estragar a venda milionária do seu pai ele decide inventar um falso noivado com sua melhor amiga Charlotte. Mas tudo bem, ele nunca a viu com outros olhos, ela nunca se interessou nele, são sócios, melhores amigos e vão continuar sendo assim após a finalização dessa pequena mentira... Essa é a parte racional que Spencer quer acreditar, mas quem disse que o amor é algo racional?

Venho por meio deste já avisar que essa resenha será polêmica: não gostei do livro queridinho do momento.
"Big rock" é um clichê total e eu amo histórias que possuam clichês, só que esse foi somente clichês e essa ainda nem foi a parte que menos gostei. Muitas pessoas o chamaram de clichê engraçadíssimo e sexy, mas eu só vi o clichê nessa afirmação. Não achei Spencer engraçado, e sim, ele é sexy, a baguetona é boa, as cenas de  baguete são boas, mas como ele se autoafirma o tempo todo, acabou ficando bem repetitivo. Mesmo adorando livros hots, o livro de Lauren Blakely não me cativou.


Como nada na vida é feito apenas de pontos negativos, esse livro também tem as suas qualidades: é uma leitura rápida, daquelas pra você ler quando esta numa ressaca literária e se você só esperar uma baguete, nada mais do que isso, vai gostar da leitura.
Recomendo o livro? Sim, mas não criem expectativas.