segunda-feira, 17 de agosto de 2015

[RESENHA] DELÍRIO - LAUREN OLIVER


ISBN-13: 9788580571646
ISBN-10: 8580571642
Ano: 2012 / Páginas: 352
Idioma: português 
Editora: Intrínseca


"Achavam que o amor era algo sublime. Mas isso foi antes de encontrarem a cura"

SINOPSE


Muito tempo atrás, não se sabia que o amor é a pior de todas as doenças. Uma vez instalado na corrente sanguínea, não há como contê-lo. Agora a realidade é outra. A ciência já é capaz de erradicá-lo, e o governo obriga que todos os cidadãos sejam curados ao completar dezoito anos.

Lena Haloway está entre os jovens que esperam ansiosamente esse dia. Viver sem a doença é viver sem dor: sem arrebatamento, sem euforia, com tranquilidade e segurança. Depois de curada, ela será encaminhada pelo governo para uma faculdade e um marido lhe será designado. Ela nunca mais precisará se preocupar com o passado que assombra sua família. Lena tem plena confiança de que as imposições das autoridades, como a intervenção cirúrgica, o toque de recolher e as patrulhas-surpresa pela cidade, existem para proteger as pessoas.

Faltando apenas algumas semanas para o tratamento, porém, o impensado acontece: Lena se apaixona. Os sintomas são bastante conhecidos, não há como se enganar — mas, depois de experimentá-los, ela ainda escolheria a cura?



RESENHA

Comecei a ler "Delírio" da Lauren Oliver pelos comentários e resenhas do Skoob e pelas promessas de ser uma distopia interessante.
Contado através dos olhos de Lena (já disse o quanto amo livros em primeira pessoa?) uma garota que conta os dias para ser curada do "Amor deliria nervosa" a pior doença da atualidade dos Estados Unidos. E o melhor: está toda contente e saltitante, pois em menos de 100 dias será curada. Até que conhece Alex e todas as crenças que mantinha até então caem por terra e ela começa a ver o que realmente o amor é: libertador, nos mostrando a verdade, por isso é tão temida pelos políticos, porém Lena ainda não entende como o governo funciona e como a Resistência (pessoas que ainda lutam  contra a cura) funciona...

O que mais gostei na leitura foi o entendimento do amor e suas facetas, pois realmente sem amor as pessoas não sofrem, mas também não sentem, não possuem piedade, compaixão e fé na vida.

Lauren começa a escrever de forma lenta, porém quando o livro engrena é impossível parar, sendo esse primeiro livro mais voltado a descoberta do romance e da promessa de uma nova forma de viver, entretanto o final nos mata, o que fazer após aquele final? Meu Deus, dona Oliver, é muita maldade fazer isso com os leitores, sabia?


Nenhum comentário:

Postar um comentário