segunda-feira, 17 de agosto de 2015

[RESENHA] PROIBIDO - TABITHA SUZUMA



ISBN-13: 9788565859363
ISBN-10: 8565859363
Ano: 2014 / Páginas: 304
Idioma: português 
Editora: Valentina


"Como uma coisa tão errada pode parecer tão certa?"

SINOPSE


Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis.
Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes.
Eles são irmão e irmã.
Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.



RESENHA

"Proibido - Tabitha Suzuma" é um livro polêmico (e põe polêmico nisso) que retrata a história de Maya e Lochan, dois jovens que sempre foram cúmplices, companheiros, se entendiam só com o olhar, sinceros um com o outro e melhores amigos, então percebem que isso sempre foi amor, que essa admiração que sentiam um pelo outro, sempre foi amor. O único problema é que eles são irmãos!

Juntos cuidam de seus irmãos menores, administram a casa e tentam esconder o abandono dos pais (um pai que foi morar em outro país com a nova esposa e nunca mais voltou e uma mãe alcoólatra que se preocupa mais com seus namorados do que com seus filhos). A maior preocupação de Lochie e Maya é que o Serviço Social descubra o que verdadeiramente acontece na casa: que na verdade os pais são eles, que na verdade quem se desdobra para educar, alimentar, cuidar e brincar com as crianças são eles.

Quando os dois descobrem o amor e atração que sentem um pelo outro eles lutam (e muito) contra o que sentem, mas chega uma hora que é impossível, que a dor da distância é muito maior do que ódio que sentem por si próprio, eles realmente não queriam que isso tivesse acontecido e aí vem a pergunta: como uma coisa tão errada pode parecer tão certa?

Tabitha Suzuma nos trás uma história tão complexa de forma simples, leve e doce, sem o menor indício de vulgaridade, apenas amor e é IMPOSSÍVEL não torcer pelos dois, é impossível não querer que eles fiquem juntos. Os dois, mesmo que ainda novos, já passaram por tanta coisa na vida que fica óbvio que o que sentem um pelo outro não é uma coisa leviana ou passageira. É amor, um amor sincero e ingênuo, juntos eles são mais fortes, juntos eles vão mais longe.

O final do livro é uma coisa linda, triste, tocante, emocionante, sei lá, não tenho palavras para definir. Eu AMO livros com finais tristes, AMO autores corajosos, mas acho que não estava pronta para o final de "Proibido", não eu não estava e ainda não me recuperei. Esse vai ser aquele livro que sempre vou guardar com carinho, que sempre vou indicar, que sempre vou querer reler e isso não faz com que eu seja a favor de incesto, por que eu não sou, mas a relação de Maya e Lochan é muito maior do que isso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário