terça-feira, 28 de março de 2017

[RESENHA] QUANDO FINALMENTE VOLTARÁ A SER COMO NUNCA FOI - JOACHIM MEYERHOFF



ISBN-13: 9788565859974
ISBN-10: 8565859975
Ano: 2016 / Páginas: 352
Idioma: português 
Editora: Valentina

"Cada vez mais tenho a impressão de que o passado é um lugar ainda mais inseguro e instável que o futuro. O que deixei para trás deveria ser algo seguro, concluído, que já fora e só esperava para ser narrado, e o que tenho pela frente não deve ser o chamado futuro a ser moldado?"



SINOPSE

Isso é normal? Crescer entre centenas de pessoas com deficiência física e mental, como o filho mais novo do diretor de um hospital psiquiátrico para crianças e jovens? Nosso pequeno herói não conhece outra realidade - e até gosta muito da que conhece. O pai dirige uma instituição com mais de 1.200 pacientes, ausenta-se dentro da própria casa quando se senta em sua poltrona para ler. A mãe organiza o dia a dia, mas se queixa de seu papel. Os irmãos se dedicam com afinco a seus hobbies, mas para ele só reservam maldades. E ele próprio tem dificuldade com as letras e sempre é tomado por uma grande ira. Sente-se feliz quando cavalga pelo terreno da instituição sobre os ombros de um interno gigantesco, tocador de sinos.

Joachim Meyerhoff narra com afeto e graça a vida de uma família extraordinária em um lugar igualmente extraordinário. E a de um pai que, na teoria, é brilhante, mas falha na prática. Afinal, quem mais conseguiria, depois de se propor a intensificar a prática de exercícios físicos ao completar 40 anos, distender um ligamento e nunca mais tornar a calçar o caro par de tênis? Ou então, em meio à calmaria, ver-se em perigo no mar e ainda por cima derrubar o filho na água? O núcleo incandescente do romance é composto pela morte, pela perda do que já não pode ser recuperado, pela saudade que fica - e pela lembrança que, por sorte, produz histórias inconcebivelmente plenas, vivas e engraçadas.



RESENHA

Joachim tem sete anos de idade e mora no hospital psiquiátrico que o pai trabalha com seus pais e seus irmãos. No livro "Quando finalmente voltará a ser como foi" temos um relato honesto sobre relações familiares e nos mostra que todas as famílias são iguais, o que as difere são a forma de esconder a "loucura" que SIM, todas têm.

O livro é escrito em primeira pessoa e nos traz a mensagem que muitas vezes vivemos um relacionamento embalado em um lindo papel de presente, mas que por dentro está vazio, a realidade de viver dentro de uma relação oca, mas que mantem as aparências.


Ao ler esse livro fui transportada a Alemanha e achei muito bacana a forma íntima e fora do comum que o autor escreveu, sabe aquele tipo de livro que em certos momentos você se emociona e perde algumas lágrimas pelo caminho, guarda amor por ele, fica angustiado e sofre em alguns momentos? É esse! Ao mesmo tempo que é leve, é reflexivo e nos mostra um novo ponto de vista para enxergar o mundo.


Confesso que no começo do livro, enquanto lia esperava a problemática da história chegar, mas a problemática dele é a vida, e ela não para nos explicar o que está acontecendo e como acontecerá, ela simplesmente vai passando e devemos acompanhá-la. Foi o que eu fiz na leitura!


A diagramação e todo trabalho de edição da Editora Valentina, como sempre, estão impecáveis. Esses elogios não são do meu lado mega fã da editora, não, são por ver todo o cuidado e carinho que possuem ao publicar títulos desconhecidos.


Após o término da leitura, descobri que essa publicação é autobiográfica sobre a vida do autor Joachim Meyeroff, eu não gosto de biografias, mas essa é escrita tão diferente e libertadora que realmente nem percebi se tratar de uma!


O que mais me marcou? O fato de muitas vezes tememos a loucura de todas as formas sem saber que na verdade ela jamais saiu de nós.

terça-feira, 21 de março de 2017

[RESENHA] A PRISÃO DO REI - VICTORIA AVEYARD


(Para ler a resenha do primeiro livro "A rainha vermelha" clique AQUI. Para ler a resenha do segundo livro "Espada de Vidro", clique AQUI)

ISBN-13: 9999094163351
ISBN-10: 9094163357
Ano: 2017 / Páginas: 552
Idioma: português
Editora: Seguinte

“Mesmo dessa altura, tudo tem cheiro de sangue. Esfreguei as mãos pelo que pareceram horas, lavando cada centímetro, e ainda não consegui me livrar do cheiro. Ele se agarra como um fantasma, mais difícil de esquecer que o rosto das pessoas que matei na batalha.”


SINOPSE

No terceiro volume da série que já vendeu mais de 250 mil exemplares no Brasil, tudo vai queimar.

Mare Barrow foi capturada e passa os dias presa no palácio, impotente sem seu poder, atormentada por seus erros. Ela está à mercê do garoto por quem um dia se apaixonou, um jovem dissimulado que a enganou e traiu. Agora rei, Maven continua com os planos de sua mãe, fazendo de tudo para manter o controle de Norta — e de sua prisioneira.

Enquanto Mare tenta aguentar o peso sufocante das Pedras Silenciosas, o resto da Guarda Escarlate se organiza, treinando e expandindo. Com a rebelião cada vez mais forte, eles param de agir sob as sombras e se preparam para a guerra. Entre eles está Cal, um prateado em meio aos vermelhos. Incapaz de decidir a que lado dedicar sua lealdade, o príncipe exilado só tem uma certeza: ele não vai descansar enquanto não trouxer Mare de volta.


RESENHA

{PODE CONTER SPOILERS DOS LIVROS ANTERIORES DA SÉRIE "A RAINHA VERMELHA"}

Mare foi capturada e agora é uma das prisioneiras do rei Maven, aquele mesmo príncipe que já amou e com quem tanto se decepcionou. O rei continua fazendo de tudo para manter o controle de Norta, mas ao mesmo tempo que os conselheiros pede a cabeça de Mare, ele inventa zilhões de desculpas para não cometer tal ato.

Enquanto a garota elétrica está presa e sofrendo com sem o poder, a Guarda Escarlate não para, Cal assume uma importante papel na causa, mesmo continuando em cima do muro, para conseguir trazer sua Mare de volta. Porém agora ela é a nova marionete do rei, será que seu irmão irá abrir mão tão facilmente daquela que ambos amam?

Traições impensáveis, improváveis alianças...
Esses foram os pontos que mais me chocaram no livro que antecede o fim da aclamada distopia de Mare Barrow.

Temos um início lento, um meio cadenciado e um final eletrizantes, marcas da autora Victoria Aveyard. Nessa terceira obra também temos a redenção de Mare, que foi odiada por muitos, inclusive por mim, no segundo livro, mas que nesse retoma a posição de garota vermelha oprimida e que luta verdadeiramente por seu povo e não para mostrar o poder que o seu sangue pode ter.

Também vemos nesse livro o romance com um dos príncipes mais explorado,  o sentimento abusivo que um dos irmãos sente por Mare muito mais claro e o que cada personagem realmente sente e verdadeiramente é. Foi um livro que me impressionou muito, me fez vibrar com os personagens secundários, conhecer novos pontos de vista essenciais à história e ter a certeza: preciso do último livro dessa série para ontem!

segunda-feira, 20 de março de 2017

[RESENHA] A VOZ DO ARQUEIRO - MIA SHERIDAN


ISBN-13: 9788580414448
ISBN-10: 858041444X
Ano: 2015 / Páginas: 336
Idioma: português
Editora: Arqueiro

"Para mim faz todo o sentindo. Acho que amor é um conceito, e cada pessoa tem uma palavra única para descrever em que o sentimento se resume para ela. A minha palavra para o amor é Bree".


SINOPSE

Cada livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do Zodíaco. Baseado na mitologia de Sagitário, A voz do arqueiro é uma história sobre o poder transformador do amor.

Bree Prescott quer deixar para trás seu passado de sofrimentos e precisa de um lugar para recomeçar. Quando chega à pequena Pelion, no estado do Maine, ela se encanta pela cidade e decide ficar.

Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo, de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele é e que mistérios esconde.

Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a história de uma mulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a trajetória de um homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda.

Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras poderiam expressar.


RESENHA

Após sofrer um grande trauma que resultou na morte de seu amado pai, Bree Prescott, vai embora de sua cidade sem olhar para trás e acaba chegando a pequena cidade e aconchegante Pelion. Um dos primeiros moradores que conhece é Archer Hale, em uma situação pra lá de desastrosa e, estranhamente,ele não responde a nada do que ela diz e a deixa falando sozinha.

Bree fica intrigada com todo o mistério que o cerca, descobre que Archer é mudo e, assim como ela, também sofreu um grande trauma em sua vida. Bree quer ajudar esse misterioso homem e quanto mais se aproxima, mais se encanta pelo solitário Archer. Mas será que os dois estão prontos para essa relação? Será que o amor pode superar grandes traumas? Será que esses traumas ficaram apenas no passado?

"A voz do arqueiro" foi o primeiro New Adult que li e hoje, quase um ano depois de concluir a leitura, me sinto pronta para falar dele sem usar apenas a palavra "amei" em sua resenha.

O livro da Mia Sheridan nos mostra a transformação do amor, o poder milagroso que ele tem, a essência do ser humano, a transformação de um garoto perdido em um homem e uma história de amor capaz de te levar dos suspiros às lágrimas em poucas páginas.

Um livro bem escrito, história fluída, personagens bem escritos, uma história de amor linda e uma carga dramática na medida certa! É impossível não dizer que amei esse livro, é impossível não recomendar a todos vocês (também recomendo lencinhos!).

" Estou aqui por você. Estou aqui por sua causa. Estou aqui porque você me viu, não apenas com seus olhos, mas com seu coração."

segunda-feira, 13 de março de 2017

[RESENHA] ÉRICA - LARISSA BARROS LEAL


ISBN-13: 9788542801910
ISBN-10: 8542801911
Ano: 2014 / Páginas: 272
Idioma: português
Editora: Novo Século

“Numa guerra não existem vencedores. Todos perdem: vidas, sonhos e futuros. Por cada pessoa, soldado ou civil, que morre numa guerra, a humanidade perde um pouco de sua essência, e os países, parte de seu patrimônio. Ela ensinou que o melhor caminho é a paz”


SINOPSE


Moscou. Dois jovens sobrevivem a um duplo atentado que mata quase todos os seus amigos. Cairo. Uma ONG islâmica tenta escapar de uma armadilha, arquitetada por integrantes da Ordem das Doze Tribos de Israel. Washington. Na sede da Ordem, a filha de um funcionário da Casa Branca cai em ciladas para que seu pai colabore com os radicais. Pequim. Um filho procura o pai, há meses desaparecido. Fortaleza. Em uma triste manhã, Érica encontra seus pais mortos... Nessa incrível trama, todas essas histórias se entrelaçam de forma impressionante. E somente Érica, que acaba de descobrir que foi incluída em uma lista negra da Ordem das Doze Tribos de Israel, poderá impedir uma grande desgraça planejada por judeus fundamentalistas, prestes a atingir a todos.


RESENHA

Érica tem 15 anos, mora em Fortaleza e está preocupada, assim como as adolescentes de sua idade, com a sua festa de 15 anos, até que uma coisa horrível acontece e ela perde seus pais. O jovem Derek já a havia alertado de que algo terrível aconteceria e após essa perda terrível a convida para ir a Frankfurt para fazer parte da agência Europol e ajudar no combate ao grupo ODTI, Ordem das Doze Tribos de Israel, que  elimina tudo e todos que se coloque no caminho da religião judaica (parece que estamos vendo o Estado Islâmico por aqui, não é mesmo?!)

A jovem espiã se infiltra dentro da Organização para conseguir provar que eles são os culpados da morte dos seus pais, mas será que Érica, ainda tão jovem, conseguirá lutar contra um grupo tão extremista.

O início da história acaba sendo um pouco confuso, devido aos diferentes pontos de vista, mas quando a história engrena você não consegue largar mais. Em certos momentos da leitura, achei que a autora Larissa Barros Leal não fosse conseguir solucionar toda a conspiração que ele envolve, mas mesmo com tantas coisas na cabeça, com tantas teorias, com tantas opiniões e apesar do final ser diferente de tudo o que imaginei, não me decepcionou em nada.

Devo admitir que li com altas expectativas e dessa vez não foi ruim, elas foram atingidas e ao terminar a leitura fiquei extasiada, chorei no final, fiquei com o queixo caído e agora, assim como me indicaram, indico o livro "Érica" a todos que amam uma boa teoria de conspiração com um plot twist no final!


quarta-feira, 8 de março de 2017

[RESENHA] UM CASO PERDIDO - COLLEEN HOOVER



ISBN-13: 9788501403940
ISBN-10: 8501403946
Ano: 2014 / Páginas: 384
Idioma: português
Editora: Galera Record


"Não existe escolha certa. Às vezes, precisamos escolher entre um monte de escolhas erradas, sem a possibilidade de nenhuma certa, você simplesmente tem de decidir pela escolha errada que pareça menos errada."


SINOPSE


Às vezes, descobrir a verdade pode te deixar com menos esperança do que acreditar em mentiras...

Em seu último ano de escola, Sky conhece Dean Holder, um rapaz com uma reputação capaz de rivalizar com a dela. Em um único encontro, ele conseguiu amedrontá-la e cativá-la. E algo nele faz com que memórias de seu passado conturbado comecem a voltar, mesmo depois de todo o trabalho que teve para enterrá-las. Mas o misterioso Holder também tem sua parcela de segredos e quando eles são revelados, a vida de Sky muda drasticamente.


RESENHA


Sky começa a frequentar uma escola de verdade pela primeira vez na vida, mas não pensem que a garota educada em casa não conhecia ninguém da escola, além da melhor amiga Six, ela já ficou com váaaarios meninos de sua escola, mas nunca se entregou de verdade a nenhum, na verdade, nunca sentiu nada com eles, até Holder aparecer...

Assim que o vê pela primeira vez ela sabe: algo dentro dela muda, mas além de ficar nervosa, de sentir as borboletas voando em seu estômago e saber como é se apaixonar pelo bad boy, Sky também fica amedrontada pelos sentimentos estranhos e desconhecidos e, principalmente, com medo das sensações que vem à tona quando está perto rapaz, sensações e lembranças que ela enterrou há tantos anos atrás e não sabe se quer tê-las novamente.

Sabe quando você pega um livro, só por pegar, não dá absolutamente nada pra ele e depois se surpreende a cada página? Foi o que aconteceu enquanto eu lia "Um caso perdido".
A escrita de Colleen Hoover é daquele tipo que você não consegue largar e que começa parecendo bobinha, mas depois vem retratar assuntos graves e polêmicos, com aquelas reviravoltas na história que vão partir o seu coração, te fazer chorar (e muito, no meu caso) e se apaixonar ainda mais por "Hopeless".
Só gostaria de entender porque a Galera traduziu esse título, que era a metáfora perfeita da história, mas essa foi a única dúvida que ficou em meio a um turbilhão de emoções e do amor imenso que senti pela história de Sky.
Se eu recomendo? De olhos fechados!

terça-feira, 7 de março de 2017

[RESENHA] A TRAIDORA DO TRONO - ALWYN HAMILTON



(Para ler a resenha do primeiro livro "A rebelde do deserto", clique AQUI)

ISBN-13: 9788555340291
ISBN-10: 8555340292
Ano: 2017 / Páginas: 496
Idioma: português
Editora: Seguinte

"Cuidado, elas diziam para as filhas. As pessoas vão te machucar por causa de sua beleza.
Eu não era bonita. Não estava ali por esse motivo. Estava ali porque era poderosa."


SINOPSE

Amani Al’Hiza mal pôde acreditar quando finalmente conseguiu fugir de sua cidade natal, montada num cavalo mágico junto com Jin, um forasteiro misterioso. Depois de pouco tempo, porém, sua maior preocupação deixou de ser a própria liberdade- a garota descobriu ter muito mais poder do que imaginava e acabou se juntando à rebelião, que quer livrar o país inteiro do domínio do sultão. Em meio às perigosas batalhas ao lado dos rebeldes, Amani é traída quando menos espera e se vê prisioneira no palácio. Enquanto pensa em um jeito de escapar, ela começa a espionar o sultão. Mas quanto mais tempo passa ali, mais Amani questiona se o governante de fato é o vilão que todos acreditam.


RESENHA

Esta resenha pode conter spoilers do primeiro livro "A rebelde do deserto".

Depois do final arrebatador do primeiro livro vemos Amani, nossa rebelde favorita, sendo uma das aliadas mais importantes da rebelião. Dominando as areais do deserto, com sua mira certeira e com a sua fama de Bandida de Olhos Azuis, vemos que a sua lealdade continua intacta a causa, mesmo sendo traída constantemente pela raiva de estar sem Jin, pois acredita que o seu forasteiro foi enviado a uma missão por Ahmed, líder da rebelião, no momento em que ela mais precisava do companheiro de guerra, de vida e de amor.


Enquanto se dedica a causa, faz pirraça com o príncipe rebelde e pensa o tempo todo em Jin, Amani é traída por quem menos espera e no momento que menos espera e quando percebe está dentro do palácio do sultão, aonde ela vai encontrar pessoas do seu passado que jamais imaginou reencontrar, que achava que já havia morrido e algumas que não tinha a menor vontade de ver novamente. Aos poucos nossa rebelde percebe o quanto pode ser importante para a rebelião ter informações privilegiadas da guerra e do palácio e enquanto tenta fugir, também vai trabalhando como uma espiã para causa. Mas será que ela pode confiar em todos os que estão a sua volta e como vencer esse jogo perigoso que está jogando embaixo do nariz do sultão?

Sabe quando alguém diz que o segundo livro é anos luz melhor do que o primeiro, que já é muuito bom? Então, estamos falando de "A traidora do trono"!

Nessa sequência vemos Amani ainda mais forte e decidida, vemos o quanto a nossa rebelde favorita é indispensável à rebelião, o quanto ela amadureceu, aprendeu com as quedas da vida e se tornou FO-DA! Sim, isso mesmo, se tornou foda!
Como vocês sabem romance não é foco de nossa querida Alwyn Hamilton e nesse livro temos o Jin mais a distancia dos acontecimentos, mas quando ele aparece... Chama o cardiologista porque meu coração para com esse homem.

Esse livro é tiro, porrada e bomba, você nem conseguiu se recuperar e já está vindo outro tiro e quando você tá se recuperando bomba e de repente meu queixo tava no chão e eu não conseguia parar de ler para pegá-lo de lá.
E o final?
CAROLINA FICOU EM COMA APÓS TERMINAR O LIVRO e se você terminou essa resenha e não se convenceu a lê-lo, eu imploro, LEIAM!



segunda-feira, 6 de março de 2017

[LEITURAS DO MÊS] FEVEREIRO E SUAS LEITURAS LINDAS


Boa tarde, gente!
Hoje venho mostrar a vocês as minhas leituras do mês de fevereiro.
Como sempre vou colocar na ordem de amor e foi um mês de ótimas leituras:



• Jantar secreto (3,5 🌟): uma história muito boa e que você não consegue largar, mas o final... 😔;


• Entre o amor e a vingança (4 🌟): um romance de época ótimo e, como os da Sarah MacLean, nada clichê, mas preferi os da trilogia "Os números do amor";


• Onde o amor está (4 🌟): um romance lindo, sobre um amor forte, verdadeiro e polêmico, super recomendo;


• O coração do leão (4 🌟): um romance lindo, como tudo o que a Mia Sheridan escreve, um pouco previsível em alguns momentos, mas emocionante;


• Calafrio (5🌟), Espera (4,5🌟), Sempre (5🌟) e Perdido (4🌟): como eu amei a série "Os lobos de Mercy Falls", uma fantasia simples, que remete a realidade e de escrita poética;



E os amorzinhos do mês foram:


• Soppy (5🌟❤): uma leitura rápida, um livro ilustrado e um casal retratado da forma mais linda possível, uma bela lição de amor nas pequenas atitudes do dia a dia, amei!;


• Um caso perdido (5🌟❤): sabe aquele livro que você pensa "ahhh, não deve ser nada demais" e você termina com o queixo no chão? Então, meu caso com essa leitura, chorei, sofri, me surpreendi e amei demais!;


• A fúria e a aurora (5🌟❤ - releitura): eu havia amado a história de Khalid e Shazi na primeira vez que li e gostei mais ainda na releitura;




FAVORITO DO MÊS:


• A rosa e a adaga (5🌟💖): não sei se estava pronta para me despedir de Khalid e Shazi assim, mas o livro foi tão lindo que fez esse adeus doer mais ainda! A continuação teve suas importantes reviravoltas, teve tristes perdas, teve lágrimas, teve amor e uma escrita poética que me deixou com muita vontade de reler logo que terminei, como não sou uma pessoa de passar vontade é lógico que o fiz haha;



E essas foram as minhas leituras do mês, ao todo li 12 livros, dando 27 livros em 2017.
E vocês, quantos livros leram esse mês e qual mais gostaram?

quinta-feira, 2 de março de 2017

[RESENHA] A ROSA E ADAGA - RENÉE AHDIEH

(Para ler a resenha do primeiro livro "A fúria e a aurora" clique AQUI)
ISBN-13: 9788525060365
ISBN-10: 8525060364
Ano: 2017 / Páginas: 366
Idioma: português
Editora: Globo Alt

" - Já que não pode me dizer, pode ao menos contar o quanto me ama?
- Das estrelas, para as estrelas."

SINOPSE

A esperada continuação de A Fúria e a Aurora, inspirado no clássico As mil e uma noites Sherazade chegou a acreditar que seu marido, Khalid, o califa de Khorasan, fosse um monstro. Mas por trás de seus segredos, ela descobriu um homem amável, atormentado pela culpa e por uma terrível maldição, que agora pode mantê-los separados para sempre. Refugiada no deserto com sua família e seu antigo amor, Tariq, ela é quase uma prisioneira da lealdade que deve às pessoas que ama. Mas se recusa a ficar inerte e elabora um plano. Enquanto seu pai, Jahandar, continua a mexer com forças mágicas que ele ainda não entende, Sherazade tenta dominar a magia crescente dentro dela. Com a ajuda de um tapete velho e um jovem sábio e tempestuoso, ela concentrará todas as suas forças para quebrar a maldição e voltar a viver com seu verdadeiro amor.

RESENHA

Essa resenha pode conter spoilers do primeiro livro "A fúria e a aurora".

Após descobrir todos os segredos e o verdadeiro coração de Khalid, califa de Khorasan, Sherazade percebe que já não pode mais viver longe do homem que ama, porém para isso terá que lutar contra a distância que os separa e contra a temível maldição que o assombra.

O segundo livro começa exatamente do final do primeiro e vemos que Shazi teme pelos familiares e amigos que tanto ama, mas ao mesmo tempo, como a pessoa que corre atrás de tudo o que quer que já sabemos que ela é, arma um plano para salvar o seu amado, compreender o que está acontecendo com o seu pai e, finalmente, poder reencontrar o seu califa. Será mais fácil vencer a maldição ou enganar os que a receberam no deserto e que pretendem matar Khalid?

Em "A rosa e a adaga" vemos uma autora que consegue finalizar uma duologia da mesma forma linda com que começou, uma fantasia poética, repleta de quotes lindos e capaz de conquistar o coração de todos. Eu estava com tanto medo de me decepcionar com essa sequência, mas não, o meu amor só aumentou.

Encantada, como já disse, pela escrita de Renée Ahdieh nesse livro eu sorri, chorei MUITO com tristes perdas que acontecem (já se preparem), fiquei com o queixo no chão com as reviravoltas e sofri de saudades de Shazi e Khalid.

Essa história me ensinou que antes de julgar uma pessoa sempre precisamos conhecer os motivos que o levaram a isso e que o amor é maior do que qualquer ódio e ele pode reconstruir o melhor que existe em nós, as perdas fazem parte da nossa caminhada, mas é melhor sofrer com elas do que nunca ter sentindo nada. Com certeza guardarei essa duologia incrível com muito amor em minha estante e meu coração.